Uma equipe dedicada a dar uma nova vida para quem precisa

Uma equipe dedicada a dar uma nova vida para quem precisa

- in São Bento do Sul
1690
0

Equipe formada dentro do Hospital Sagrada Família da oportunidade para quem precisa de órgãos

São Bento do Sul

O Hospital e Maternidade Sagrada Família, assim como Hospitais da região dispõe de uma COMISSÃO HOSPITALR DE TRANSPLANTE – CHT.

A Comissão hospitalar de transplante é formada por um médico mais quatro enfermeiros e uma gerente de enfermagem.

A primeira ENUCLEAÇÃO (retirada de olhos) ocorreu em setembro de 2012 e a primeira captação de múltiplos órgãos em outubro de 2012

No total foram realizados 53 enucleações e 16 protocolos de morte encefálica, sendo realizado 07 captações de múltiplos órgãos.

A enucleação se trata da retirada do globo ocular, aproveitando as córneas e as escleras que são enviados para o banco de olhos de Joinville.

A comissão explica que quando o paciente está com sinais e sintomas de morte ecefalica, é aberto o protocolo de ME para a confirmação do mesmo, assim é realizados três tipos de testes, sendo dois testes clínicos e um teste de imagem (Doppler Transcraniano), por três médicos diferentes. Após a confirmação do diagnóstico de morte encefálica a família (familiares de 1º e 2º grau do paciente) deve ser consultada e orientada sobre o processo de doação de órgãos. A entrevista deve ser clara e objetiva, informando “que a pessoa está morta e que, nesta situação, os órgãos podem ser doados para transplante”. Esta conversa é realizado por profissionais capacitados, que prestam todas as informações que a família necessitar. Caso a abordagem seja negativa para doação o corpo será entregue aos familiares.

Quando a resposta é positiva para a doação de órgãos é comunicado a equipe da SC Transplantes que inicia o procedimento. A listagem de receptadores obedece uma lista prioritária. A comissão em São Bento do Sul não tem fins lucrativos e todos atuam de forma voluntária. A equipe de profissionais destacam que após o diagnóstico de ME paciente é mantido vivo artificialmente, pois sem atividade cerebral o paciente está em óbito. Entre os pacientes doadores no Hospital de são Bento do Sul, foram realizado o explane dos seguintes órgãos: rins, fígado e globo ocular; sabendo que um paciente pode doar os seguintes órgãos e tecidos: córneas, coração, pulmões, rins, fígado, pâncreas e ossos.

Para ser doador o paciente deve ter entre 2 a 70 anos não necessário deixar nada por escrito mas é fundamental comunicar à família o desejo da doação. A família sempre se aplica na realização deste ultimo desejo, que só se concretiza após a autorização desta, por escrito.

“Para nós é uma satisfação muito grande, imaginar alguém que não enxerga, sair do hospital enxergando isso é uma satisfação” comenta.

Comissão do Cihdott

Coordenador: Enfermeiro Gustavo Henrique Pasqualini

Dra.Sabrina Bolmann Garcia Schwingel (Médica )

Enfermeira Evelina Hauck Hummelgen (Gerente de Enfermagem)

Enfermeira Nathalia Formentini Menezes

Enfermeira Lucibel Alberton Ferdandes

Enfermeiro José Henrique dos Santos

Sobre a Morte Encefálica

A morte encefálica (ou morte cerebral) é o estado clínico definido pela perda completa e irreversível das funções encefálicas, secundária à parada total da atividade funcional do cérebro (Telencéfalo/Diencéfalo) e do tronco encefálico. Designada pela presença concomitante de Coma irresponsivo, ausência de reflexos do tronco e apnéia. Diagnosticada usando-se protocolo específico determinado por lei, significa a morte da pessoa. Morte encefálica (ME) é como conceito hoje, sob a ótica social, ética, religiosa e científica, o que determina legalmente a morte de uma pessoa.

Como posso ser doador?

Tire suas dúvidas sobre doação de órgãos!

Como posso ser doador?

Hoje, no Brasil, para ser doador não é necessário deixar nada por escrito, em nenhum documento. Basta comunicar sua família do desejo da doação. A doação de órgãos só acontece após autorização familiar.

Que tipos de doador existem?

Doador vivo – Qualquer pessoa saudável que concorde com a doação. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea e parte do pulmão. Pela lei, parentes até quarto grau e cônjuges podem ser doadores; não parentes, somente com autorização judicial.

Doador cadáver – São pacientes em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) com morte encefálica, geralmente vítimas de traumatismo craniano ou AVC (derrame cerebral). A retirada dos órgãos é realizada em centro cirúrgico como qualquer outra cirurgia.

Quais órgãos e tecidos podem ser obtidos de um doador cadáver?

Coração, pulmão, fígado, pâncreas, intestino, rim, córnea, veia, ossos e tendão.

Para quem vão os órgãos?

Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Saúde de cada Estado e controlada pelo Ministério Público.

Como posso ter certeza do diagnóstico de morte encefálica?

Não existe dúvida quanto ao diagnóstico. O diagnóstico da morte encefálica é regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina. Dois médicos de diferentes áreas examinam o paciente, sempre com a comprovação de um exame complementar.

Após a doação o corpo fica deformado?

Não. A retirada dos órgãos é uma cirurgia como qualquer outra e o doador poderá ser velado normalmente.

sbsonline todos os direitos reservados
A replubicação está autorizada desde que citada a fonte

Facebook Comments

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode querer ler também...

PM PRENDE TRAFICANTE EM SÃO BENTO DO SUL

Na tarde deste sábado, 15, uma guarnição da