Padrinhos do coração: ‘É preciso amor para poder pulsar’ diz juíza Liliane Midori Yshiba Michels

Padrinhos do coração: ‘É preciso amor para poder pulsar’ diz juíza Liliane Midori Yshiba Michels

- in São Bento do Sul
1632
Comentários desativados em Padrinhos do coração: ‘É preciso amor para poder pulsar’ diz juíza Liliane Midori Yshiba Michels


Antecipe seu saldo FGTS ? Rápido, fácil, sem consulta ao SPC e sem parcelas mensais ??
Clique aqui para saber mais CLICK AQUI

A excelentíssima Doutora Juíza de Direito da 3º Vara da Comarca de São Bento do Sul, Liliane Midori Yshiba Michels convidou a imprensa para mostrar o projeto importante para crianças em situação de vulnerabilidade. Não somente isso, a magistrada, quer dar oportunidade as crianças de momentos felizes em família com uma série de ações.
Liliane se emociona em falar do projeto e criou a Portaria 06/2021 que dispõem da Criação do “Projeto Padrinhos do Coração.
Segundo a magistrada a intenção é criar e oportunizar a experiência da convivência familiar, de relações e vínculos afetivos e duradouros, bem como a possibilidade de vivenciar situações cotidianas fora das instituições de acolhimento, é que o projeto Padrinhos do Coração foi criado.
O projeto tem ainda o objetivo de estabelecer uma corresponsabilidade social, por meio do compromisso voluntário de padrinhos e madrinhas, o Poder Judiciário da Comarca de São Bento do Sul, busca romper um ciclo de fragilidade e solidão em crianças e adolescentes acolhidas institucionalmente entre 8 a 18 anos.
A Juíza explica que a criança ou o adolescente é encaminhado a um serviço de acolhimento quando se encontra em situação de risco e quando foram esgotadas as possibilidades que permitiriam colocá-lo em segurança. “A gente busca primeiro reinserir a criança dentro da própria família dela, com algum tio, parente, irmão maior de idade e quando isso não é possível, realmente, é que então acaba se destituído do poder familiar e ela é encaminhada para adoção”, explica a juíza.
Ausência
No entanto, a realidade do país, e consequentemente da região, é que por diversos motivos, principalmente por ausência de adotantes cadastrados com interesse, muitas das crianças que estão nas casas de acolhimento não são adotadas, e ao completarem 18 anos, precisam sair da instituição. Em São Bento do Sul são 14 crianças em acolhimento. .
Modalidades
O projeto se apresenta em três modalidades: Na modalidade afetiva, aonde o padrinho ou madrinha dá atenção e carinho, podendo levar a criança para passear nos finais de semana, passar as férias escolares ou feriados, além de orientá-la quanto à saúde, estudos e formação. Para esta modalidade é necessário que os interessados em apadrinhar sejam maiores de 18 anos e pelo menos, dezesseis anos mais velho do que a criança ou adolescente que o afilhado, independente do estado civil.

Já o apadrinhamento material (ou financeiro) é aquele que dá suporte material ou financeiro à criança e ao adolescente com a doação de utensílios, material escolar, calçados e roupas, brinquedos, bem como o financiamento de atividades extraclasse como viagens de conhecimento, patrocínio de cursos profissionalizantes, reforço escolar, prática esportiva e até mesmo, contribuição mensal em dinheiro.

“As pessoas querem ajudar, mas não querem adotar, não sabem como. Nesta modalidade, a pessoa ou empresa, ajuda não apenas uma criança, mas sim a instituição, que rateia a quantia entre seus acolhidos. O padrinho não tem contato com os afilhados, mas eles recebem o seu auxílio, de alguma forma”, conta a juíza.

Prestação de serviços
Na última modalidade, o padrinho prestador de serviços é um profissional que atende as necessidades institucionais dos acolhidos, conforme sua especialidade de trabalho, sendo um fornecedor de serviços, como médicos, odontológicos, fonoaudiólogo, cabelereiro, cursos de línguas e profissionalizantes, restaurantes.

Exemplos
Segundo a magistrada em uma das comarcas onde atuou, tinha uma boleira que no aniversário de todas as crianças, ela doava o bolo para a festa em comemoração. O dono de uma academia oportunizava atividades físicas e de natação para as crianças. A dentista atendia periodicamente.

Como ajudar
Os interessados em participar do programa devem protocolar um requerimento de inscrição, que é fornecido pela equipe interprofissional do Fórum da Comarca de São Bento do Sul, apresentando documento pessoais, comprovante de residência, negativa de antecedentes criminais, comprovante de rendimento e uma fotografia 3×4. Os documentos devem ser apresentados por cópia autenticada ou simples.

Desejo entre as partes
“A equipe irá analisar a ficha de inscrição dos interessados, que serão chamados para uma entrevista, para verificar se as pessoas têm condições de apadrinhar o menor. Bem como, as crianças e adolescentes também são ouvidos, se querem ou não participar do programa, ou se gostaram dos padrinhos”, explica Liliane. A qualquer tempo, independentemente de justificativa, o apadrinhamento poderá ser rompido, seja por vontade dos padrinhos ou dos afilhados.

Carinho e amor
“O resultado é que a criança passa a ter um olhar diferente sobre a família, do que é união familiar, do que é receber carinho e amor, e então ela aprende que é capaz também de dar carinho e amor. Com isso, ela se sente valorizada, eleva a autoestima e muda a sua perspectiva do futuro”, finaliza a juíza.

Participe
Interessados em participar do importante projeto devem manter contato com o Serviço de Assistência Social do Fórum, apresentar um requerimento de inscrição e os documentos que estão na portaria 06/2021. Informações nos telefones 31308904 e 31308906



Facebook Comments

You may also like

CAMPANHA DE DOAÇÃO DE LIVROS PARA ESCOLAS GAÚCHAS É LANÇADA PELA SOCIEDADE LITERÁRIA

As doações serão enviadas à cidade de São Leopoldo, onde as estimativas indicam a perda de mais de 100 mil livros