Mãe e filho detidos em Rio Negrinho

Mãe e filho detidos em Rio Negrinho

- in Rio Negrinho
1426
0

Na madrugada desta segunda-feira 15, por volt das 00h45min, a policia militar
foi acionada vida COPOM, Central de Operações da Policia Militar para
deslocar até o bairro Pinheirinho onde estaria ocorrendo uma perturbação por
som alto.
Chegando ao local, os policiais avistaram a perturbação onde estava havendo
uma festa. A guarnição deu voz de abordagem e solicitou que o dono da
residência e proprietário do som apresentasse então uma mulher que disse ser
a dona reportou-se aos policiais, nesse momento seu filho, menor de idade
apareceu e começou a proferir xingamentos aos policiais, dizendo que os
policiais são apenas de farda homens e que são “porcos fardados”.
Diante dos fatos a guarnição policial entrou na residência, porém foi recebida a
tapas e arranhões por parte da mulher a qual estava em visível estado de
embriaguez. Controlada a situação, foi feita a apreensão do menor por
desacato, haja vista que os mesmos ofereceram resistência e desobediência,
logo após foram conduzidos mãe e filho até a Delegacia de Polícia Civil de São
Bento do Sul para registro do fato e providências cabíveis.
A Polícia Militar orienta a população sobre as infrações de perturbação do
sossego.
– Ligue no telefone de emergência 190, se identifique e passe seu endereço;
– Relate ao operador como e onde está acontecendo à perturbação;
– informações sobre o número de pessoas no local são importantes;
– Para a lavratura do procedimento legal, são necessárias duas testemunhas
identificadas e que relatem o caso no local aos policiais.
Segurança: “Por PESSOAS do bem para o Bem das PESSOAS”.

Facebook Comments

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode querer ler também...

POLÍCIA CIVIL ALERTA PARA O GOLPE QUE CLONA CONTA DO WHATSAPP

Somente neste mês seis vítimas registraram Boletim de Ocorrência na Delegacia de Rio Negrinho. Na maior parte dos casos a vítima acabou passando, via celular, o código para que o criminoso pudesse ter acesso ao aplicativo, após ter acreditado na conversa mantida com o golpista.